• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Dengue: Salvador está em estado de epidemia; veja como se proteger


Telas, mosquiteiros e inseticidas são medidas que ajudam a combater o mosquito transmissor da dengue Os casos de dengue na Bahia seguem em uma perigosa curva de crescimento desde o início do ano. De acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) da Sesab, até o dia 30 de março, 285 municípios estavam em estado de epidemia (68% das cidades), entre eles a capital Salvador. Outras 45 cidades estão em risco e 12 em estado de alerta.
Mosquito transmissor da dengue
Divulgação
Os municípios têm ampliado as ações de combate, que envolvem desde o uso de carros fumacê à canais diretos de comunicação para denúncias de possíveis focos do Aedes aegypti (mosquito transmissor).
Em Salvador, a prefeitura municipal intensificou os mutirões nos bairros com limpeza de canais, eliminação de focos de dengue em imóveis abandonados, e fez parceria com o Exército, capacitando soldados para atuarem como multiplicadores de ações e informações de combate, além das campanhas de vacinação.
Para além desses esforços, algumas medidas adotadas pela população, podem contribuir para o controle no avanço do número de casos. Confira:
Ações em conjunto: inseticidas e telas
Simples e eficaz, o uso de telas e mosquiteiros podem ajudar a evitar a entrada dos mosquitos através das janelas, gerando uma proteção extra sobretudo para as crianças.
A medida pode ser combinada com o uso de inseticidas em spray ou de tomadas, que ajudam a matar os mosquitos adultos, principalmente em ambientes fechados. No caso do uso destes produtos, é importante manter o alerta quanto às reações alérgicas.
As telas podem ser usadas também nos ralos, caso esses não possam ser fechados, evitando que os mosquitos coloquem seus ovos. O cloro, apesar de muito usado, não é a medida mais eficaz para os ralos.
Proteção contra a picada
O uso de repelentes são altamente recomendados na proteção contra a picada do mosquito. Porém, apesar da abundante oferta nas prateleiras de farmácias e supermercados, é preciso ficar atento a que tipo de repelente usar.
De acordo com o Ministério da Saúde, os produtos indicados para prevenção da dengue devem conter em sua composição DEET (N-N-dietilmetatoluamida), IR3535 ou Icaridina.
Esses tipos de repelente são indicados inclusive para o uso durante a gravidez, fator de risco para complicações da dengue. Já no caso das crianças é importante verificar a composição e seguir a orientação do pediatra.
A reaplicação durante o dia deve seguir as recomendações do rótulo de cada produto, lembrando que no caso do uso com os produtos, como hidratante, protetor solar ou maquiagem, o repelente deve ser passado por último.
Cortando o mal pela raíz
Entre as ações adotadas para combater a dengue, a mais eficaz delas é prevenir a proliferação do mosquito, certificando-se de que não há criadouros dentro de casa ou na vizinhança.
Verifique regularmente as calhas, removendo folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr; feche os ralos ou proteja com telas; mantenha a caixa d’água sempre fechada com tampa adequada, evitando qualquer porta de entrada para os mosquitos; coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada.
Além disso, elimine qualquer entulho e limpe cuidadosamente os vasos, potes, pratinhos e outros objetos que acumulam água, mesmo que estejam secos. É importante esfregá-los, pois os ovos do Aedes aegypti podem ficar conservados por até um ano e meio na superfície da parede interna dos objetivos.
Em caso de suspeita de focos na vizinhança, a exemplo de piscinas sem tratamento, casas abandonadas, entulhos, pneus, lixos acumulados, denuncie através dos telefones 160 ou 156.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.